Farinha de mandioca: o sabor brasileiro e as receitas da Bahia - 1ª ed.

Na carta que escreveu ao rei de Portugal, em 1500, Pero Vaz de Caminha deixou registrado, sobre os hábitos naquela localidade recém-descoberta: "Eles não comem senão d´outra coisa a não ser dum inhame que brota de terra". Base alimentar dos indígenas, a mandioca acompanhou a miscigenação que resultou no povo brasileiro - índio, europeu e negro - e passou a integrar pratos de inspirações variadas que, hoje, formam a autêntica culinária nacional. Não à toa, em seu História da alimentação no Brasil, o folclorista Luís da Câmara Cascudo dedicou um capítulo especial à mandioca, denominando-a de "rainha do Brasil", por conta de seu valor histórico e nutricional. Em alguns estados do país, a farinha de mandioca - o subproduto mais famoso da raiz - é mais do que um ingrediente de cozinha. É o caso da Bahia, onde a dupla feijão com arroz é, na verdade, trio (feijão com arroz e farinha) e onde a farinha de mandioca envolve todo um conjunto de práticas e relações que se estabelecem por meio de sua produção e de seus usos. Esses aspectos econômicos, sociais e culturais compõem os textos da presente coletânea, tão diversos em suas abordagens quanto a própria utilização da farinha. As receitas típicas reunidas pelos pesquisadores temperam esta leitura.

Bom

Mostra e-mail?

Segurança

Digite os caracteres da imagem acima: